Trabalho na Eletropaulo Metropolitana, em São Paulo, na função de agente Comercial 1

Às 8h da manhã inicio meu trabalho nas ruas da zona oeste de São Paulo. Tenho em média 380 leituras por dia no PDA (coletor de dados), o que dá em média 8.000 mil leituras ao mês. Enfrento sol, chuva e cachorro, mas é satisfatório no final.

O leiturista enfrenta duros desafios durante sua jornada de trabalho. Entrei na empresa em julho de 2010 e passei por várias transformações.  Durante anos, fui adquirindo experiência e com isso novos desafios. Em julho de 2017 me formei em Publicidade e o meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) foi a criação de uma revista interna voltada para o leiturista.

A finalidade do meu projeto foi contar a rotina desse profissional que trabalha em campo, falando sobre sua segurança, sobre casos de sucesso, dicas de saúde e tudo mais voltado ao nosso universo.

O trabalho do leiturista passou por várias transformações ao longo do tempo. Na década de 1980, a leitura era feita com prancheta e caneta. O companheiro recebia folhas com suas atribuições diárias e nelas havia o endereço das residências e o parâmetro (média de consumo) de cada local. Em 1984 esse procedimento mudou por conta do desenvolvimento de um novo coletor de dados chamado XPTO. A tecnologia acabara de entrar na vida do leiturista que por muitos anos, executava seu trabalho de forma totalmente manual. Esse coletor, com o passar dos anos, foi evoluindo e passando por algumas atualizações. Em 2007 foi criada uma nova tecnologia de coletores da Honeywell, marca conhecida pela excelência nesse tipo de equipamento.

Os leituristas trabalharam por vinte anos em empresas contratadas pela Eletropaulo. Não havia regras, procedimentos e valores de trabalho a serem seguidos. Em Agosto de 2010 foi feita a incorporação da equipe pela Eletropaulo. Em dois anos se iniciou o processo de fatura simultânea. O leiturista, que até então passava duas vezes ao mês em cada residência para fazer a leitura e depois entregar a fatura, passou a fazer a leitura e imprimir a fatura simultaneamente, proporcionando mais agilidade. Nesse processo, passamos à nova função de  Agente Comercial, agregando às nossas atribuições diárias a autonomia de negociação com o consumidor e em alguns casos a suspensão de sua transmissão de energia.

Representando a classe feminina, me sinto honrada em fazer parte desse processo e ser testemunha dos bastidores desse profissional de grande valor.

Esse Projeto só foi possível através da ajuda de todos os companheiros da área que me ajudaram a transformar esse sonho em realidade.

Agradecimentos em especial ao Marcelo Dos Santos, Gerente que já foi leiturista e ao Eduardo Annunciato, o Chicão, Presidente do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo, que patrocinou o projeto e transformou a revista em realidade, imprimindo cinco mil exemplares divididos em cinco edições.

 

Jaimara Gomes Santana, 30 anos, Formada em Publicidade e Marketing em Tecnologia.