No Brasil, é cada vez maior o número de idosos no mercado de trabalho. Segundo dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 4,5 milhões de trabalhadores têm 60 anos de idade ou mais. Esse número deve crescer nos próximos anos, devido ao aumento da expectativa de vida e às possíveis mudanças no sistema previdenciário.

Para se ter uma ideia, em 2010 o Brasil possuía 21 milhões de idosos, o que corresponde a 11% da população, segundo dados do último censo demográfico. A projeção do IBGE é que em 2050 eles sejam 30% da população, ou seja, 65 milhões. Mas, o quê a presença cada vez maior de idosos no ambiente de trabalho impacta na Segurança e Saúde do Trabalho?

De acordo com o médico e professor doutor da disciplina de geriatria da Universidade Nove de Julho (Uninove),Thiago Mônaco, será necessário reforçar os cuidados na área de SST. “Aquilo que é ruim para o jovem, é péssimo para as pessoas idosas”, diz ele.

O especialista explica que a diferença é que as consequências de um acidente de trabalho envolvendo pessoas idosas, geralmente, são mais graves do que com os jovens.

Por isso as empresas precisam cada vez mais ter atenção com questões que envolvam ergonomia e normas técnicas de segurança relacionadas à estrutura do ambiente. Cuidados que já devem ser tomados normalmente, adverte o médico.

Mônaco ainda afirma que a exigência de um check-up anual se faz necessária, pois ajuda a promover a garantia de bem estar do trabalhador dessa faixa etária.

 

Experiência e responsabilidade

Apesar do preconceito que ainda existe no mercado de trabalho com os idosos, algumas empresas têm preferido contratá-los em razão da maior experiência profissional e responsabilidade desse tipo de empregado, dizem especialistas de Recursos Humanos consultados pela Revista Preven.

Um exemplo é o Grupo Pão de Açúcar (GPA), controladora dos supermercados Extra, Assaí e Pão de Açúcar. A empresa implantou há alguns anos um projeto que buscava aumentar o número de contratação de funcionários com mais de 55 anos.

Em 2017, o grupo contava com 3,4 mil funcionários nessa faixa etária. Neste ano, o projeto foi extinto e se tornou uma política permanente de recrutamento da empresa, segundo a assessoria de imprensa do GPA.

Benefícios

anter-se profissionalmente ativo na terceira idade não é só uma questão econômica. De acordo com Mônaco, trabalhar proporciona benefícios para a saúde dos idosos.

“O fato de continuar organizando e exercitando o cérebro reduz a incidência de doenças, como depressão e Alzheimer. Entre meus pacientes percebo que eles têm mais jovialidade e agilidade, pois mantém uma rotina de trabalho e consequentemente um cuidado maior com a saúde”, explica.