Em Macau, após um incêndio num pequeno prédio, os bombeiros, verificando os destroços, encontram apenas um morto. E justamente o avô do garoto Manuquim, que estava de cabeça para baixo, com o dedo indicador apontando para um dos cantos do ambiente. Ao seu lado, um extintor de incêndio, com a seguinte instrução: em caso de incêndio, vire de cabeça para baixo e aponte para a chama.

Essa piada antiga revela mais como as mensagens ainda são precárias, permitindo outras interpretações sobre a linguagem escrita. A Realidade Aumentada (RA) acrescenta outras formas de comunicação sobre produtos e marcas. O uso dessa tecnologia permite transmitir fotos, vídeos e animações em 3D ao apontar para um EPI ou EPC, como o extintor ou a mangueira de incêndio, instruindo como manusear corretamente o equipamento. Na emergência, ninguém, em sã consciência, vai baixar aplicativo para ver como funciona algum equipamento disponível, porém, para instruções, Ensino a Distância (EAD) e treinamentos corporativos ou com o aplicativo instalado, a RA revela ser poderosa ferramenta de baixo custo, utilizando como meio uma base implantada, que é o celular ou tablet. No Brasil, já existem 220 milhões de celulares inteligentes ativos, de acordo com a 29ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), divulgada em abril de 2018. A pesquisa também indica que, somando smartphones com notebooks e tablets, resultam em 306 milhões de dispositivos portáteis em uso no país.

No treinamento sobre SST, a RA fornece um ambiente virtual para instruir e desenvolver vários exercícios sobre o ambiente real de trabalho. É possível simular situações nas quais os trabalhadores devem aplicar conhecimentos específicos para analisar e eliminar riscos, diante de materiais tóxicos, trabalhos perigosos ou momentos críticos. O próprio material ou equipamento será o “alvo” para acionar a RA e surgirem instruções e avisos no tablet ou no smartphone do usuário, aumentando as comunicações de prevenção no trabalho.

A RA também cria um estágio intermediário de aprendizado e de checagem, entre a instrução coletiva inicial e o manuseio profissional. A RA é adequada para aquele momento em que o próprio aluno ou o profissional estuda sozinho, para não esquecer nenhum detalhe antes da prova ou antes do manuseio da máquina.

 

306 milhões de dispositivos portáteis (smartphones, notebooks e tablets) estão em uso no Brasil.

 

Uma aplicação mais complexa de RA está em desenvolvimento na Suécia: o capacete de bombeiro C-Thru (fotos no topo), com RA no visor, para que o bombeiro possa enxergar, no meio da fumaça densa, as estruturas projetadas, acessos e o mobiliário de um prédio em chamas e, com ajuda de um sensor térmico, mostrar as zonas de calor do ambiente em tempo real. Complementa o capacete com o recurso de ruído seletivo que bloqueia o barulho das chamas e enfatiza gritos de socorro e um sistema de comunicação simplificado entre os bombeiros da equipe.

 

O que é RA?

Realidade Aumentada (RA) é uma tecnologia que permite que o mundo virtual seja misturado ao mundo real, possibilitando maior interação e abrindo nova dimensão no modo como nós vemos o nosso redor e como recebemos informações.

A RA teve sua origem nos códigos de barras, que não estavam mais cumprindo a tarefa de carregar as informações que se queria obter através de sua leitura. Depois, surgiram os estranhos QR-Codes, códigos bidimensionais que dão acesso a sites e aplicativos, tendo como aparelho de leitura o tablet ou o smartphone, no lugar dos equipamentos específicos para códigos de barra.

Nesse desenvolvimento, surge a RA com a mudança dos códigos bidimensionais para uma malha versátil de identificação, para projetar imagens virtuais e tantas outras aplicações, como games ou promoções sobre objetos e produtos. Isso expandiu as fronteiras da interatividade e possibilitou que novas tecnologias sejam utilizadas, principalmente na área de modelagem em 3D, animadas e interativas, para incorporar com o mundo real.

 

 

A Price Waterhouse, nos EUA, a partir de uma pesquisa com 1.300 CEOs sobre Megatendências em Avanços Tecnológicos em 2017, aponta a RA como uma das oito tecnologias que mais afetarão os negócios até 2020, mundialmente.

Com RA, você vê a vista que terá do apartamento ou projeção em 360º das áreas comuns de um prédio em construção.

 

Publicações especializadas indicam que essa tecnologia está em ascensão no Brasil. A expectativa é que a RA movimentará a venda de mais de 100 mil produtos utilizados nesse tipo de solução, incluindo celular, software, óculos etc. A revista Qual, de anúncios imobiliários, colocou na capa da sua edição de julho de 2018 a RA de um edifício em construção, mostrando todas as vistas em 3D do imóvel, de forma interativa, produzida pela SKC/Multidea Comunicação.

“A RA é um forte argumento comercial para vendas na planta de um apartamento, onde essa tecnologia permitirá você vê a vista que terá do apartamento ou a projeção em 360º das áreas comuns de um prédio em construção permitirá ver o pôr do sol e a vista que terá da sua unidade, na altura correta, ou a projeção em 360º do apartamento ou de todas as áreas comuns do conjunto habitacional em planta”, informa Spada Júnior, CEO da SKC/Multidea Comunicação.

Os custos de produção de RA se tornaram viáveis para que um único álbum de figurinhas contivesse 40 imagens animadas em 3D interativas ou pequenas estátuas da Nossa Senhora de Fátima, à venda, terem RA em que aparecem vídeos em 3D, com orações e fundo musical.

Em conferência recente da Google, foi anunciada a utilização da RA no Google Maps, para combinar o poder da câmera – a visão do computador – com o Street View e o Google Maps para reinventar a forma de orientação nas ruas. Já é possível implantar RA para obter informações turísticas ao apontar a câmera do celular para monumentos da cidade.

A Sony está desenvolvendo uma patente de lentes de contato que gravam vídeos e são movidas com um piscar de olhos, como acontece em um filme da série Black Mirror, e que possibilita a projeção de imagens diretamente do olho ou projetando em uma tela.

Assim, a RA já está presente em vários produtos e serviços no Brasil, desde o surgimento do Pokémon Go, para geração de novos negócios, agregar mais informações às marcas e instruções de uso dos equipamentos, prenunciando o momento, em breve, que será muito mais rica de mensagens o que você olhar em um óculos de RA do que sem esses óculos, pois a visão do mundo sem RA se tornará estranhamente monótona.