Desde o início de 2020, a COVID-19 já fez quase duas milhões de vítimas ao redor do mundo, sendo mais agressiva e letal em pessoas idosas e/ou portadoras de doenças crônicas, como diabetes, cardiopatias e pressão alta.

No entanto, a comprovação da susceptibilidade de alguns grupos não exime a necessidade dos cuidados daqueles fora do grupo de risco. Infelizmente, isto tem sido ignorado cada vez mais, fenômeno recentemente constatado nas festas desse fim de ano em algumas partes do Brasil e mundo.

O novo coronavírus coloca no limite os sistemas de saúde e, sem a vacina para todos, as formas de evitar a propagação do vírus consistem no distanciamento social, uso de máscaras, álcool 70° e água e sabão.

De fato, pessoas jovens e sem doenças pré-existentes apresentam um risco menor de desenvolver complicações caso sejam infectados mas, agora, um estudo apresenta uma pista mais abrangente: a agressividade da COVID-19 pode estar relacionada a uma mutação de certos genes humanos.

Isso coloca em xeque o sentimento de invencibilidade e pode ajudar a justificar o agravamento de quadros em pacientes fora do grupo de risco.

Um estudo liderado pela Elsevier, empresa global de informações analíticas, que contribui com instituições e profissionais para o progresso da assistência à saúde e da ciência.

Aplicado em consultórios do Brasil, indica que foram encontrados 40 genes ligados a defesa imunológica, que estão relacionados à susceptibilidade para o contágio do vírus, sendo 21 deles relacionados aos sintomas severos da SARS-CoV, ou seja, genes e variantes genéticas associadas à vulnerabilidade a uma ou mais  infecções virais múltiplas em indivíduos saudáveis; variantes genéticas associadas a um vírus grave, infecção ou com risco de vida.

É sempre importante lembrar que os genes em geral representam aproximadamente 20% de quem realmente somos. Os outros 80% são definidos pelo ambiente (atividade física, alimentação etc).

Com um mapa genético realizado em laboratório é possível identificar a presença dessas mutações, para que o cuidado seja redobrado.

Caso o paciente já esteja com a doença na fase inicial, é possível realizar a antecipação de um possível agravamento, ou seja, é a medicina atuando em um modelo que será cada vez mais vigente daqui para frente: preditivo e preventiva e não apenas reativo.

Vale ressaltar que o conhecimento de possuir, ou não, os genes que propiciam uma piora no quadro não elimina a necessidade dos cuidados já conhecidos. O distanciamento social, para quem pode, sempre será a melhor arma contra o COVID-19.