Estamos vivendo um momento em que muitas pessoas estão trabalhando a partir de suas casas. Muitas empresas já vinham adotando esta ideia antes mesmo da pandemia chegar e colocar muitas outras a seguirem pelo mesmo caminho, ou seja, manter‑se funcionando desta forma face aos desafios que este novo cenário tem obrigado todos a ultrapassar, caso pretendam atingir os seus objetivos no mercado.

A grande questão, tanto do lado das empresas, quanto do lado dos trabalhadores, é: como manter a rotina de casa e a do trabalho, em simultâneo, sem comprometer a produtividade?

Trabalhar em casa exige certas regras, rotinas e um comprometimento ainda maior para que as ações não percam o foco e, para que o objetivo definido seja cumprido e não vire um problema, pois precisa haver mais concentração, pois só assim este processo pode tornar-se agradável e mais fácil de ser trabalhado.

Antes de cada um definir bem o que precisa fazer, é necessário compreender os papéis que o definem enquanto ser humano e conforme a sua história de vida, até mesmo em relação às pessoas com as quais convive. E o que são estes papéis? São aqueles que definem quem é dentro e fora de sua casa.

O papel que assume hoje é o de mãe? Pai? Filho? Irmão? Líder? Empresário?

Ao compreender qual é o seu papel, poderá melhor definir quais serão os momentos mediante uma rotina programada, onde o seu foco e concentração tomarão a sua maior proporção.

Antes de integrar o trabalho dentro das suas rotinas em casa, qual era a sua rotina? Descansar quando chegar a casa? Estar com a família? Estudar? Assistir uma série ou um filme? Estudar com os filhos?

É fato que trabalhar a partir de casa tem muitas distrações e diversas tentações. Porém, é necessário saber identificar quais são os seus papéis e relacioná-los com as suas rotinas e muitas vezes, correlacionar com as rotinas de quem vive com você, conforme o papel que o outro desempenha na tua vida.

Para que este processo se torne mais fácil, importa ter atenção a alguns aspectos, como por exemplo, programar uma rotina com horários para a sua jornada diária. É fundamental inserir neste cronograma o início das rotinas de trabalho com intervalos de descanso e alimentação, tal qual se estivesse trabalhando fora de casa e o horário em que pretende encerrar esta jornada de trabalho. Dentro deste mesmo cronograma, deve agendar os horários para a rotina que tinha anteriormente quando chegava em casa após sair do seu trabalho, seja estudar, cuidar da família ou outra situação qualquer.

Adeque e programe o agendamento de uma rotina diária conforme a realidade de vida e de papéis que verdadeiramente vive. Porém, programe! E, para aquilo que programar, concentre-se e mantenha o seu foco. Caso contrário, dificilmente atingirá o objetivo proposto para o dia, e irá entrar num estado de frustração, comprometendo outros momentos destinados para outras programações. Muitas vezes, afetará também pessoas que estão à sua volta. Para auxiliar neste processo, avalie sempre tudo o que ganha e tudo o que perde ao se comprometer fazer, conforme o que tem programado.

Em ambiente laboral, é normal existir um responsável para acompanhar e exigir resultados mediante os objetivos definidos previamente. Em casa, essa função fica a cargo, principalmente, de quem está executando o teletrabalho. Estipular tempos e metas de realizações é um aspecto imprescindível e fundamental para ajudar neste processo, bem como verificar e focar naquilo que é mais importante dar prioridade e que exige urgência.

Criar um local apropriado dentro de casa para o desempenho das atividades é um ponto primordial e que ajuda na tomada de uma postura adequada para a mesma. Este ponto vai ao encontro também de criar estratégias que o mantenham motivado para assumir este estado profissional e focar com mais precisão. Para melhor exemplificar este aspecto importante, aqueles que desempenham suas atividades laborais sentados de qualquer maneira no sofá, perto da TV com ela ligada, com o computador no colo e num local pouco apropriado em termos de iluminação, tendem a criar e assumir um estado de preguiça e desatenção e consequentes, com pouco ou nenhum foco, onde as distrações pertencentes a este ambiente são maiores do que as do ambiente no qual estaria se não estivesse na sala da sua casa, por exemplo.

Criar um local é preocupar-se minimamente com o seu bem-estar, com o seu conforto e, muitas vezes, escolher uma mesa e uma cadeira adequadas, em conformidade com um ambiente que proporcione uma iluminação apropriada. Estes elementos vão contribuir para que a sua postura e foco estejam de acordo com o estado desejado e que se pretende para  poder manter a adequada produtividade e em simultâneo, o adequado conforto em termos de condições de trabalho.

Ter atenção à gestão do tempo é outro aspecto imprescindível, principalmente quando se trata de trabalho usando as redes sociais.  Para que este estado de muito provável desatenção seja alterado, é importante estar conectado no “aqui e agora”.

Experimentar novas estratégias para manter a motivação, também ajudam. Seja arrumar-se como se arrumaria se estivesse que sair de casa ou colocar uma roupa confortável, desde que tenha sempre atenção que é possível criar um estado desejado para si mesmo e das estratégias que utiliza para que se mantenha motivado.

Estes momentos convidam as pessoas a desenvolver novos hábitos, ao mesmo tempo que trazem oportunidades. Há sempre aqueles que pensam que tudo o que acontece é negativo, mas esses tendem a ficar para trás, focados no problema, diferentemente daqueles que utilizam e melhor administram o tempo que possuem a mais, em seu favor, para se desenvolverem e reforçar ou adquirir competências, ler livros e ampliar o seu campo de visão.

O futuro promete novas oportunidades e só vão estar aptos para as alcançar aqueles que souberam desenvolver-se e acompanhar toda esta transformação.

Cerca de 93% dos postos de trabalho vão requerer, dentro de um prazo não longo, algum tipo de competência digital. E, neste aspecto, adquirir e possuir competências digitais vai ser um ponto diferencial positivo no currículo.

Neste momento, fazer uma análise de quem foi, de quem é e de quem quer ser é fundamental para identificar o que precisa fazer agora para ter ou se tornar no que deseja.

Observar a si mesmo é reconhecer-se em tudo o que acontece, é perceber se permanece em estado de inércia e reclamando de tudo, ou se vai em busca de desenvolver o que vai tirá-lo do estado de derrota, desespero, descontrolo emocional e levá-lo a um outro estado de ressignificação e resultados.

O confinamento é apenas um estado e muitas pessoas já viviam confinadas muito antes de existir a pandemia, confinadas em rotinas que não lhe permitiam fazer mais ou ainda confinadas pelo que vai nas suas mentes e no que acreditam de si.

É claro que hoje vivemos um confinamento real, porém não devemos deixar que a palavra condicione o nosso estado, devemos ressignificar a palavra! Se a palavra fosse oportunidade e ao invés de pensar; “Estou vivendo um novo confinamento”, como seria se pensasse: “Estou vivendo uma nova oportunidade!”?