As notícias chegando da China e da Europa, e quando nos deparamos, o vírus chega ao  Brasil.

Afetando nosso mundo e trazendo com ele toda onda de medo e preocupação.

Deixando-nos com o modo ALERTA acionado constantemente.

Nós não estamos acostumados a viver sob ameaça, e nem possuímos o histórico de guerras dos nossos antepassados.

Somos seres sociáveis em menor ou maior grau, e temos como base viver em sociedade.

A privação deste direito de sociabilização interfere em nossos campos emocional e energético.

Portanto, o período de isolamento social, embora necessário, pode acionar gatilhos de estresse que desencadeiam impactos emocionais negativos.

A proteção, a sobrevivência, a manutenção de nossa saúde física e da de quem amamos, a incerteza de quando todo este processo finalizará, tudo isso entra para a conta do pesado clima que tivemos nas últimas semanas.

Graças a tecnologia e Internet já estamos bem informados, eu diria até excessivamente informados dos cuidados de higiene que devemos manter a fim de prevenir o contágio da COVID-19, o que é ótimo.

Porém, o excesso de informações muitas vezes não verídicas exercem ainda mais pressão em nossa psique.

Por isso se torna fundamental manter o equilíbrio emocional nesta fase.

 

A questão emocional

O mundo pede que olhemos para dentro.

Neste cenário, questões são acionadas, despertando reações, emoções e sentimentos que muitas vezes ainda não estão trabalhadas interiormente.

Utilize este momento como uma pausa para explorar este olhar interno.

É importante pararmos alguns minutos para fazermos essa reflexão:  “Como estou me sentindo e como estou sendo afetado por este período, o que posso fazer para me equilibrar emocionalmente, como posso contribuir para o equilíbrio de outras pessoas”.

Ainda que não se tenha o costume de fazê-lo, é importante saber que a maneira como vivenciamos o confinamento e lidamos com todo este processo será essencial tanto em nosso convívio – durante e no pós-confinamento.

Sim, o mundo está mudando, e você e eu estamos mudando com ele.

Conviva você em família ou sozinho, seja você algum dos bravos atuantes da linha de frente, ou não, viva você num lugar isolado distante de tudo isso, ou não.

Você é humano e sabe que a humanidade está em um momento de transição, que vai alterar nossa percepção de valor da vida, trazendo ainda mais transformação.

Convido-te a esse olhar interno, que não só cuida de você interiormente, como também aciona em segundo plano a conexão a todos nós e ao nosso planeta neste momento de aprendizado.

Seguem algumas alternativas para equilíbrio emocional neste período:

Não se deixe afetar pelo excesso de informações

Filtre a avalanche de informações.

Sociabilize online

Aproveite as vídeo-chamadas, chats, monte ou pertença a alguma rede de ajuda, auxilie velhinhos confinados.

Estude / leia

Você já viu os milhares de vídeos que estão disponíveis na Internet sobre os mais variados assuntos? E aquele livro que você ainda não leu por que não tinha tempo?

Cuide de sua saúde e alimentação

Mais uma vez, a Internet está cheia de vídeos de exercícios gratuitos.

Medite ou começe a meditar se nunca o fez

Através de meditações guiadas, são ótimas para começar.

Escreva, escreva muito!

Para deixar tudo que está aí dentro sair e também faça uma lista de desejos para o pós-confinamento.

Estabeleça pequenas rotinas

É fácil se perder nos dias uma vez que não temos mais nossa rotina de trabalho, estudos, etc, crie algumas simples tarefas diárias.

Ouça suas músicas preferidas para elevar a vibração

E se possível dance, alterando a fisiologia do corpo, criando endorfina.

Se for necessário, procure ajuda

Existem vários terapeutas e psicólogos online. Há também o serviço do CVV (Centro de valorização a vida), com atendimentos online e por telefone, gratuitos.

Uma coisa é certa. Sairemos transformados desta experiência de uma maneira ou de outra.

Que transformações você gostaria para sua vida pós-confinamento?