O mundo dos negócios está de olho na sigla em inglês ESG (Environmental, Social, Governance), que pode ser traduzida como ASG (Ambiental, Social e Governança Corporativa).

Ela representa os três pilares da sustentabilidade, que fazem o balanço das empresas entre cuidar do meio ambiente e lucrar com suas ações.

Segundo uma pesquisa realizada pela The Boston Consulting Group (BCG), empresas com desempenho superior em áreas ambientais, sociais e de governança (ESG) apresentam margens de valorização mais altas, do que aquelas com desempenho mais fraco nessas áreas.

Isso significa que empresas que lideram no impacto social, colhem mais benefícios financeiros. (https://www.bcg.com/pt-br/press/25october2017-total-societal-impact).

Apesar de esses pilares terem ganhado notoriedade em 2020, ações que ajudam a preservar o meio ambiente e que transformam a cultura das empresas já representam uma missão há mais de 15 anos.

A sustentabilidade agrega valor às empresas. Hoje elas buscam, além de crescerem e se tornarem referências em seus setores, fazer a diferença para o planeta com metodologias inteligentes.

Isso as torna ainda mais interessantes ao mercado, aos acionistas da bolsa de valores e, consequentemente, para gerar outros negócios, pois alinham a sua produtividade e lucratividade com propósitos socioambientais.

A economia de água e energia são os pontos mais importantes de serem lembrados quando o assunto é finanças e sustentabilidade, uma vez que a água é fonte de vida para a humanidade – e apenas 0,26% da água doce estão disponíveis para consumo – e para gerar energia, os recursos naturais são explorados e geram danos ao meio ambiente.

Conheça ações indicadas pelo especialista que estimulam as práticas sustentáveis para agregar valor e reconhecimento nas empresas:

1 – Economize água: Segundo um estudo divulgado pelo Instituto Trata Brasil e a consultoria GO Associados, o desperdício de água no Brasil chega a quase sete vezes o volume útil do Sistema Cantareira, principal manancial que abastece a Grande São Paulo. Em termos percentuais, isso significa que 38,3% da água tratada é desperdiçada antes de chegar aos destinatários finais.

Existem métodos inovadores que reduzem o desperdício e facilitam a economia de água – de 50% a 70% na conta – com arejadores e reguladores de vazão, redutores de pressão, jet sprays e dual flush, manuais e infravermelho, que são simples e acessíveis.

Além disso, é importante fazer uma inspeção nas tubulações das empresas para se checar se não há vazamentos. Vale o investimento!

2 – Economize energia: Os maiores vilões do consumo de energia elétrica em empresas são os maquinários, aparelhos de ar-condicionado e as luzes.

Em todos os casos, é possível estudar os picos de energia por meio de medidores e gerenciamentos específicos para que, nos horários de maior custo, haja controle e menos gastos.

Já existem muitas residências e empresas que estão investindo na sua própria produção de energia elétrica através da energia fotovoltaica para reduzir custos, valorizar suas propriedades e tornar suas atividades mais sustentáveis.

No quesito iluminação, existe a opção de substituir lâmpadas decorativas por lâmpadas eficientes de Light Emitting Diode, muito conhecidas como LED.

Em relação às dicroicas, o LED pode ser até 80% mais econômico. Desligue o maior número possível de aparelhos das tomadas, pois, mesmo na opção ‘stand by’, apresentam consumo.

3 – Mude seus hábitos: O que compramos e consumimos têm um grande impacto no meio ambiente. Todo o sistema do planeta está interligado, do desmatamento na Amazônia à produção excessiva de lixo.

Até o cafezinho que tomamos precisa ser repensado. Você já imaginou que aquela cápsula de café é um fator 14 vezes mais prejudicial ao meio ambiente do que o passado em filtro de papel? Além de ser muito mais caro.

Tudo isso interfere nas más condições que enfrentamos há anos e que também devemos enfrentar daqui para frente se nada mudar.

Tenha um programa de responsabilidade ambiental dentro da sua empresa: reduza o uso de plástico e papel, acrescente pontos de descarte de lixo reciclável e eletrônicos, evite usar o carro movido a combustível e saiba para onde direcionar o descarte que pode ser reaproveitado por outras pessoas ou empresas ao seu redor.

4 – Ajude o seu entorno: O que antes passava despercebido aos olhos das empresas, hoje é uma fonte de inspiração e cooperação. Estar atento às pessoas, ONGs, entidades e aos novos empreendimentos é uma questão essencial.

Fazer parcerias e ajudar o seu entorno é uma boa regra de conduta. Talvez um produto ou material que não faz mais sentido para você, pode gerar oportunidades e fonte de trabalho para o outro.

Há quem recicle e transforme lixo em arte, há quem transforme lixo em adubo, há quem precise de doações ou até mesmo apenas a sua atenção.

Essas ações transformam a cultura de qualquer empresa, o relacionamento entre colaboradores e até mesmo a performance dentro do trabalho.