Cultura é um conjunto de hábitos e comportamentos compartilhados por um grupo de pessoas que o diferencia de outros grupos. A cultura corporativa parte desse mesmo princípio: é o sistema que orienta sobre como as coisas são feitas em uma organização.

Por que falar sobre cultura é tão importante? Ela é uma força invisível que permeia todo ambiente corporativo. Está presente na forma como os colaboradores interagem, na maneira como os processos são executados, na relação com os parceiros e clientes, etc.

Podemos pensar que cultura é como preparar uma receita. Para chegar no prato desejado precisamos escolher os ingredientes certos e ponderar a quantidade que será colocada de cada um. Muito ou pouco de um ingrediente pode resultar em um prato difícil de engolir.

E como isso faz sentido nas empresas? É simples. Cada elemento comportamental é como o ingrediente de uma receita e o conjunto destes elementos formam o prato principal – a cultura da organização.

Se quero um ambiente que preze pela inovação, por exemplo, preciso escolher os ingredientes que irão fomentar esta característica. Aí entram os valores corporativos. Eles são direcionadores dos comportamentos. Se os colaboradores entendem quais são os valores e os comportamentos que se manifestam a partir deles fica muito mais fácil montar o prato principal, ou seja, a cultura que será o alicerce para alcançar os resultados desejados.

Neste momento marcado por tantas incertezas, a cultura é colocada à prova e começa a ser vivenciada de outras formas. O que a pandemia global nos trouxe foi uma reflexão sobre a maneira como as coisas têm sido feitas e o reflexo disso para os negócios. Não tivemos muito tempo para nos planejar e, assim como na cozinha, algumas coisas precisam ser feitas de improviso. Este é o momento que as empresas terão a chance de aprender, testar e aprimorar outros pratos do cardápio.

Agora, mais do que nunca, as empresas precisam atuar como verdadeiros agentes no combate à pandemia e muitas marcas têm assumido iniciativas que reforçam ainda mais seus valores e fortalecem a cultura de seus negócios. É um momento para se engajar e cooperar frente a um objetivo comum.

Assim, ter valores bem consolidados ajudará os líderes a entenderem quais escolhas devem ser feitas. Atuar em linha com o que a empresa acredita traz segurança e conforto para os funcionários mesmo em um cenário marcado por muitas incertezas.

Por outro lado, talvez a pandemia tenha contribuído para expor aspectos culturais que precisam ser reformulados. A verdade é que este também é um momento de adaptação e pode ser que seja inevitável revisitar determinados valores. O importante é que isso seja feito à luz do que a empresa tem como verdade e que inclua os colaboradores nessa construção. Será preciso comunicar, compartilhar ideias e fomentar práticas – mesmo remotamente – que incentivem o desenvolvimento e aplicação de outros ingredientes na cultura.

A crise é um contexto em que as coisas acontecem sem muita previsibilidade, e as empresas seguem atuando com obstáculos e desafios. Esperar a crise passar para “entrar no eixo” é desperdiçar as oportunidades de evolução que ela está trazendo. É preciso lembrar que a cultura vai continuar existindo independentemente da forma como estamos trabalhando. Ela será alimentada, dia após dia, com base nos nossos comportamentos e nas escolhas que fazemos. Caberá, a cada um de nós, definir quais ingredientes irão compor esta receita para que, no final, tenhamos orgulho do prato que será posto à mesa.