Bruno Bassi – Diretor Executivo Corporativo na Açotubo

Em tempos de pandemia, grande parte das empresas responsáveis têm se posicionado de modo a manter o seu funcionamento preservando os empregos por meio da gestão correta da saúde e segurança de seus colaboradores. A pandemia do coronavírus trouxe muitas mudanças no cenário mundial, todos sabem, mas é importante distinguir, neste momento, empresas responsáveis e comprometidas com as políticas baseadas nos referenciais universais da OMS – Organização Mundial da Saúde para proteção de seus colaboradores. Pensando nesta circunstância, a Revista Preven convidou para uma entrevista, representante do Grupo Açotubo (maior distribuidor siderúrgico no atendimento ao varejo da América Latina desde os anos 70) para comentar a respeito das políticas internas de sua organização para preservação dos empregos e na proteção da saúde e segurança dos seus colaboradores. Assuntos como a importância do planejamento e medidas específicas para as divisões de negócio, com foco em pessoas, talentos e carreiras, bem como da ampliação, em quantidade e abrangência, de ações de responsabilidade social foram abordadas nesta entrevista, e muito mais.

Confira a entrevista, a seguir.

Quais têm sido as maiores dificuldades do Grupo Açotubo para manter suas operações de distribuição e de atendimento ao varejo da América, em razão das restrições e afastamento social?

Esta é uma situação completamente atípica. Nenhuma empresa de nenhum setor da economia poderia prever algo como a pandemia de COVID-19. Felizmente, o Grupo Açotubo é bem estruturado. O cuidado com os colaboradores sempre foi uma política da empresa. No final de 2019, muito antes da quarentena, já tínhamos apresentado um novo planejamento estratégico para todos os funcionários, indicando que as pessoas são um de nossos principais pilares de gestão e de direcionamento como empresa responsável. A partir daí, elaboramos protocolos específicos para a situação, sempre priorizando a segurança e o bem-estar, mas com a consciência de que o nosso trabalho serve diversos setores essenciais.

O aço está no campo, na indústria, no petróleo, nas estruturas e equipamentos de saúde, no dia a dia. Não poderíamos parar e não paramos. No primeiro momento tivemos que adaptar nossas operações à realidade do distanciamento, mas isso foi rapidamente integrado à nossa rotina com ações assertivas e com a compreensão e colaboração de todos os nossos funcionários.

Com relação aos colaboradores do Grupo Açotubo, que medidas têm sido tomadas para garantir a saúde e a segurança em tempos de coronavírus?

Desde o princípio da pandemia, criamos um Grupo de Gestão de Riscos com a participação dos membros da Diretoria e toda a Gerência Sênior para monitorar a situação, acompanhar as orientações dos órgãos de saúde e pensar em soluções integradas que garantissem a saúde e a segurança de nossos colaboradores.

Renato Flora, Gerente de Recursos Humanos e Jurídico

Através do trabalho conjunto, conseguimos elencar dezenas de medidas envolvendo toda a nossa rede de relacionamentos, incluindo colaboradores, clientes, prestadores de serviço, fornecedores e, claro, os familiares de todos os envolvidos na operação.

As principais medidas, tomadas de maneira imediata aos anúncios das autoridades de saúde sobre a pandemia, foram:

 

Em relação aos espaços:

Aumento da frequência de higienização de áreas comuns e de grande circulação;

Disponibilização de álcool em gel em todas as dependências;

Reforço de comunicação sobre melhores práticas e prevenção;

Acompanhamento dos funcionários em trabalho remoto;

Espaçamento dos assentos no refeitório, respeitando a distância entre as pessoas;

Janelas abertas nos escritórios para melhor circulação do ar.

Em relação aos colaboradores:

Concessão de férias, implementação do banco de horas ou do home office para:

Grupos de risco;

Administrativo;

Mães com filhos em aulas suspensas;

Pessoas com dificuldade de deslocamento.

Em relação aos procedimentos internos:

Monitoramento diário da situação externa, das operações e dos colaboradores;

Redução do quadro nas operações de recebimento, vendas, faturamento e expedição, que foram mantidas conforme demanda e orientações das autoridades de saúde;

Flexibilização do horário de almoço das equipes administrativas e comerciais;

Incentivo à redução da permanência no refeitório, evitando aglomerações;

Recomendação das ferramentas virtuais para realização de reuniões de trabalho;

Orientação para que os líderes estejam atentos aos colaboradores com sintomas equivalentes aos da COVID-19, encaminhando-os para avaliação no ambulatório e, caso necessário, retorno à residência;

Suspensão de viagens aéreas nacionais e internacionais, reuniões e visitas internas e externas;

Mapeamento e monitoramento dos colaboradores em grupo de risco: acima de 60 anos, portadores de doenças crônicas, grávidas e usuários de transportes públicos;

Implementação da “carona solidária”, onde disponibilizamos veículos para que os colaboradores evitassem o transporte público para chegar ao trabalho.

Adiamento de treinamentos, eventos e entrevistas presenciais de recrutamento e seleção.

Fora do período de pandemia, existem ações de prevenção de acidentes e proteção à saúde dos colaboradores? Poderia explicitar?

Sim. Segurança é e sempre será fundamental no Grupo Açotubo. Dos galpões aos escritórios, esta é uma de nossas principais preocupações. Nossa comissão interna é extremamente ativa, com programas de avaliação e de monitoramento. Além disso, temos diversas campanhas, ao longo do ano, focadas em saúde e bem-estar, como luta contra o tabagismo, conscientização sobre diversos tipos de câncer, diabetes, obesidade, além da preocupação com o psicológico também.

Quais são os pontos importantes sobre a SST no Varejo?

Acreditamos que Saúde e Segurança do Trabalho (SST) é um assunto que deve ser encarado pelo varejo e por outros setores com abrangência. Isso significa a compreensão de diversas variáveis de cenário para a elaboração de um planejamento que seja efetivo.

Conhecer os colaboradores: Gênero, faixa etária, onde e como vivem, necessidades de cada profissional para cada setor, entre outros pontos que permitam o levantamento dos diferentes perfis, que resultarão em diferentes ações ou campanhas mais direcionadas.

SST como essência de valor: É preciso que o entendimento sobre a importância da saúde e segurança dos colaboradores seja parte dos valores da empresa. Este alinhamento deve ser percebido no dia a dia como uma preocupação genuína, gerando maior engajamento.

Diferença entre despesa e investimento: É preciso ter claro que as ações de SST, além de garantir as melhores condições para os colaboradores, que é o mais importante, refletem diretamente em maior produtividade, redução de riscos e de custos para a empresa.

Escutar o colaborador: Quem está na linha de frente, seja na produção ou no atendimento ao cliente, tem contato com necessidades na ponta que, muitas vezes, não fazem parte do dia a dia do gestor. Por isso, ouvir os funcionários é fundamental para um planejamento que corresponda à realidade.

Avaliar andamento e resultados: Como parte de todo planejamento, entender como as ações se desenvolveram, da implementação aos resultados é importante para identificar temas que precisam ser reforçados e definir prioridades.

Como a Açotubo vê a necessidade de gestão adequada e proativa dos riscos à segurança e a saúde dos colaboradores?

A gestão de riscos é premissa básica para a garantia da saúde e segurança de nossos colaboradores. Através de um criterioso cronograma de avaliação periódica das condições existentes em todo o ambiente de trabalho, incluindo instalações, máquinas, equipamentos, armazenamento de material, transportes, movimentação de cargas, entre outros, podemos identificar fontes de riscos potenciais e planejar ações capazes de evitar acidentes ou exposições desnecessárias de nossas equipes, garantindo as condições adequadas de trabalho e preservando a saúde e a segurança de nossos colaboradores.

É possível associar produtividade dos trabalhadores e diminuição das taxas de acidentes e adoecimento no trabalho?

Sem dúvida nenhuma. Um ambiente de trabalho seguro e saudável permite que os colaboradores consigam focar toda a sua energia em atividades produtivas. Segundo a Teoria das Necessidades de Maslow, as necessidades fisiológicas são apresentadas como a base da pirâmide, e representam as mais urgentes para a sobrevivência (são inevitáveis, como comer, beber e dormir), e precedem, na sequência, as necessidades de segurança, relacionamento, estima e auto-realização.

Portanto, apenas quando as necessidades fisiológicas (saúde) e de segurança são satisfeitas é que os colaboradores conseguem pensar na realização das demais necessidades, e a empresa precisa fazer todo o possível para que as necessidades básicas de saúde e segurança sejam garantidas.

A Açotubo poderia nos passar dicas para desenvolver a saúde e a segurança do trabalho no varejo com produtividade?

Existem várias formas de se desenvolver a saúde e a segurança do trabalho, e conforme citado acima, essas são premissas básicas para que os trabalhadores aumentem sua produtividade.

Uma das maneiras mais relevantes é criando e envolvendo as lideranças e os colaboradores em rotinas ou “rituais” periódicos de avaliação das condições do ambiente de trabalho. Quando conseguimos, através de uma comunicação transparente entre líderes e liderados, compartilhar com os colaboradores a responsabilidade por essa avaliação, utilizando estes rituais para o desenvolvimento de novos hábitos conseguimos transformar os comportamentos e a cultura da organização. No momento que essa transformação acontece e estes comportamentos são introjetados e passam a acontecer de forma natural, sem esforço, contribuem para que sobre energia para a produção e para contribuições relevantes ao desenvolvimento do trabalho.

O Grupo Açotubo desenvolve uma cultura de segurança do trabalho? Poderia nos falar um pouco sobre isso?

Sim, o Grupo Açotubo está em constante transformação e evolução cultural, e um dos principais pilares de seu Planejamento Estratégico trata exatamente dos temas relacionados à sua cultura.

Neste momento, estamos no processo de revisão das políticas existentes, bem como de desenvolvimento de novas políticas de Segurança do Trabalho, objetivando aumentar a conexão e a transparência entre líderes e liderados, bem como garantir a implementação de novos rituais que consigam engajar nossas equipes na busca por comportamentos seguros.

Por que investir em saúde e Segurança do Trabalho no varejo?

As pessoas, sem dúvida, são o maior ativo de qualquer empresa. Por mais que a tecnologia avance, ainda não temos robôs com a capacidade de empatia, fundamental para tomada de decisões, inclusive em negócios. Se por um lado, as máquinas não produzem acidentes sozinhas, e também não ficam doentes, a capacidade de entendimento e de percepção do ser humano é crucial para fazer escolhas.

O Grupo Açotubo valoriza demais o capital humano. Com quase meio século de mercado podemos afirmar que essa longa estrada foi construída por várias mãos e talentos. Investir em um ambiente saudável e seguro é investir na longevidade do próprio negócio. A satisfação, o bem-estar e a confiança do colaborador criam uma sensação de pertencimento, de entendimento de que cada posição tem um papel importante dentro do todo, o que é convertido em produtividade com qualidade. É uma relação extremamente benéfica para todos os envolvidos, colaboradores, gestores e clientes.

O que podemos aprender com esse momento que o mundo está vivendo em razão da pandemia? Podemos tirar aprendizados positivos dessa situação?

Uma das principais lições aprendidas é a importância do planejamento. É claro que ninguém poderia prever, ou sequer imaginar algo como a pandemia de COVID-19, mas as empresas que não tinham um controle sólido de ações sofreram mais. Outros pontos importantes são: a visão estratégica, reconhecer a situação adversa e projetar ações dentro de uma nova realidade, e a velocidade na tomada de decisão.

Como o impacto do novo coronavírus foi algo inédito neste século, protocolos tiveram que ser criados para uma rápida resposta ao mercado, principalmente, por parte das empresas que fazem parte de setores considerados essenciais. Algo desta magnitude traz mudanças que não podem ser ignoradas ou negligenciadas, como necessidades específicas e o comportamento do consumidor de forma geral.

considerações

O Grupo Açotubo encara este momento de transformação do mercado como uma oportunidade de fortalecimento. No final do ano passado apresentamos nosso planejamento estratégico chamado ‘46 anos + Fazendo mais por você’, que trata, além das medidas específicas para as divisões de negócio, do foco em pessoas, talentos e carreiras, bem como da ampliação, em quantidade e abrangência, de ações de responsabilidade social.

Na prática, isso significa dizer que, depois de firmar a marca como o maior distribuidor de produtos siderúrgicos da América Latina nas últimas décadas, que o olhar está voltado para novas oportunidades, soluções, atendimentos, inovações e realizações para os próximos 50 anos. Significa também que nossas equipes, espalhadas por todo o Brasil, estão empenhadas em continuar servindo, com muita segurança e qualidade, a todos os clientes que ajudaram na construção do Grupo Açotubo.