Nos dias de hoje, mais que nunca, ouvimos falar em autenticidade. Viver de acordo com a sua verdade, agir baseado nos seus valores e na sua essência. Mas afinal, o que é ser autêntico? Ser autêntico é uma arte. É muito fácil passar desapercebido no meio da multidão. Mas se destacar por ser uma pessoa original requer força, coragem e um alto nível de autoconhecimento. E para que essa sua verdade se prolongue no tempo e faça parte de maneira genuína da sua vida, ela precisa ter 3 pilares bem fortalecidos.

Pense numa construção gigantesca. Uma torre de 30 andares com alta tecnologia em todas as áreas. É indispensável uma base muito sólida para garantir a segurança e a solidez do edifício. A mesma coisa acontece com uma personalidade autêntica. Quanto mais genuíno um indivíduo é, mais complexo e interessante esse se torna, e assim, se faz necessário uma boa base estrutural. Por isso eu criei o termo ‘autenticidade sustentável’.

A primeira base é o autoconhecimento; o primeiro passo para viver de acordo com a sua essência é conhecê-la. Ser autêntico também significa ser verdadeiro. Uma pessoa com essa característica é sincera, honesta e verdadeira, tanto com ela quanto com o próximo. Eu tive uma cliente que estava se divorciando aos 48 anos, tendo começado o relacionamento com o ex-marido aos 14. E a primeira coisa que ela me falou na nossa primeira sessão foi: “Eu não sei do que eu gosto”. Ela tinha passado os últimos 34 anos vivendo de acordo com as preferências do marido e filhos.

Uma pessoa que não conhece a sua essência não pode desenvolver a sua autenticidade. Por isso, uma imersão no autoconhecimento é essencial. Não adianta nada saber quem você é, mas viver preocupado com o que os outros pensam de você, por isso o segundo pilar é o empoderamento. Além de ser uma questão de felicidade e qualidade de vida, esse pilar é também uma questão de saúde física, pois ter os nossos pensamentos, sentimentos e ações alinhados é extremamente importante.

O Brasil é o país com maior número de pessoas com ataques de ansiedade no mundo. Esse número está diretamente relacionado à insatisfação com a própria vida e em consequência, uma sensação de viver sempre fora de si mesmo. Esperando o fim de semana, esperando um grande amor, esperando o jogo do time favorito de futebol e afins. Se empoderar é viver por você e se concentrar no momento presente.

E assim, chegamos ao terceiro pilar, o respeito pela autenticidade alheia. Viver de acordo com a sua essência, invadindo e desconsiderando o espaço do outro, não é autenticidade. É falta de educação. Existem pessoas que acreditam que ser autêntico é falar tudo aquilo que pensam sem “papas na língua”. Mas essa atitude ultrapassa os limites da autenticidade e se transforma em grosseria. Costumam ser pessoas que aparentam ser muito fortes e ter uma autoestima elevada, mas que por trás escondem uma fragilidade que acaba produzindo uma atitude de defesa atacando outros.

A pessoa que não respeita e agride o espaço dos outros acaba afastando todo mundo de perto dela. Viver de acordo com a sua essência, sem disfrutar e desenvolver habilidades sociais não é sustentável. O que está sendo procurado é uma autenticidade que se sustente no tempo, proporcionando felicidade e um nível elevado de qualidade de vida. E esse resultado passa por uma vida social saudável. Por isso o terceiro pilar para sustentar a base da torre da autenticidade é o respeito pela verdade e pelo espaço das outras pessoas. Trabalhando em nível consciente e subconsciente e colocando em prática esses três aspectos, torna-se inevitável o desenvolvimento de uma vida autêntica sustentável.