Com a chegada da pandemia, a tecnologia deixou de ser uma opção. É inegável que a crise sanitária fez com que a adesão a novas soluções tecnológicas fosse acelerada nas indústrias de todos os setores. As empresas tiveram de adaptar rapidamente seus processos, para melhorar a entrega, produção, produtividade e gerar resultados. Isso só foi possível, em grande parte, por conta da tecnologia.

Vale lembrar que tecnologia não se resume apenas ao uso de smartphone, chip ou computador. Ela é mais abrangente, e podemos defini-la como novas soluções encontradas para se fazer algo ou melhorar o que já existe. Neste sentido, o cenário da pandemia acelerou a busca das empresas por essas soluções. Os desafios foram muitos, mas funcionaram para impulsionar muitos setores e a indústria foi um dos principais. Era preciso garantir funcionamento, gerar novas fontes de receita, além de continuar atendendo o mercado.

Claro que a maioria dessas soluções já existiam, mas a pandemia revelou quais tecnologias estão sendo eficazes e quais devem ter sua utilização ampliada no pós-pandemia. Uma pesquisa realizada pela The Economist Intelligence, em maio deste ano, com líderes de diversos países a pedido da Microsoft, comprova essa tendência ao revelar que a pandemia acelerou a transformação digital nas empresas a uma taxa de 72%. Soluções em nuvem, inteligência artificial, machine learning e internet das coisas foram apontadas entre as ferramentas essenciais para este momento.

Na era da indústria 4.0, as empresas que conseguiram manter-se nessa transição tecnológica foram aquelas que sempre estiveram atentas ao mercado, acompanhando as tendências, sobretudo as que acreditaram nos seus profissionais, proporcionando a eles treinamentos especializados para suportar essa enxurrada de tecnologia dos dias atuais.

Nessa busca por novas soluções tecnológicas, as escaláveis são muito valorizadas e fundamentais, pois permitem a ampliação e o crescimento sustentável do negócio, e trazem facilidade no processo, sem afetar o serviço prestado ao cliente. As tecnologias que fazem a diferença para uma indústria se manter competitiva, são aquelas voltadas para o aprendizado de máquina (machine learning) e a automatização de processos (RPA).

Com a nova geração de profissionais e o desenvolvimento de novas formas de trabalho, será possível às empresas aproveitarem muito bem o momento, aprenderem rápido sobre processos que continuam sendo bem sucedidos, e agregarem uma bagagem de novos conhecimentos e experiências.

No entanto, nunca foi fácil buscar no mercado, profissionais de TI. De acordo com a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), a área de Tecnologia da Informação (TI) demandará cerca de 420 mil profissionais até 2024. A pandemia colaborou com esse cenário, pois fez com que a maioria das empresas adotasse de vez a transformação digital em seus processos e serviços. Isso evidencia que as companhias precisam cada vez mais incorporar talentos capazes de tirar o maior proveito possível das novas tecnologias.

Para sanar esse déficit e acelerar a entrada de novos profissionais no mercado de trabalho, muitas empresas preferem qualificar essa mão de obra dentro da organização. Algumas, inclusive, já investem em treinamento para profissionais externos e contratam aqueles que mais se destacam durante o aprendizado. Portanto, para quem está em busca de uma oportunidade na área de tecnologia o momento é esse.

É importante ressaltar que para manter-se e se diferenciar nessa área, deve-se levar em conta alguns fatores. Em primeiro lugar, é fundamental ter muita vontade de aprender e se desenvolver constantemente, uma vez que na área de TI as coisas mudam muito rapidamente. O engajamento com a organização também é primordial, pois as empresas contratam pelo conhecimento e demitem pelo comprometimento, ou pela falta dele. Discrição é outra característica que muitos terão de adquirir para seguir na área. E, por fim, a comunicação. Aquele profissional de T.I. que trabalhava isolado do restante da empresa já não se enquadra mais no mercado. Hoje, a comunicação faz parte do trabalho desses profissionais, devido às integrações exigidas entre sistemas e áreas das empresas, interna e externamente.

Como já mencionado acima, a pandemia acelerou o processo de uso e adaptação a tecnologias já existentes. Internet das Coisas (IoT), Big Data e Cloud Computing, ganharam mais espaço nas empresas. O uso de novas tecnologias aplicadas às operações irá proporcionar a diminuição do trabalho necessário que se traduz na economia líquida do tempo de trabalho, uma vez que, com a presença da automação, começou a ocorrer a diminuição dos coletivos operários e uma mudança na organização dos processos de trabalho.