2021, assim como 2020 segue sendo um ano atípico para a retomada da economia e do mercado de trabalho.

Segundo dados do IBGE, a taxa de desemprego segue em alta, atingindo o recorde de 14,7 milhões de brasileiros desocupados no segundo trimestre.

O cenário é desolador para todos, afinal a crise que enfrentamos é mundial e atingiu todas as classes sociais, sem distinção. Contudo, os profissionais idosos que ainda estão na ativa são os que mais sofrem com o desemprego.

Isto porque as oportunidades de trabalho os excluem simplesmente pela idade, sem nem mesmo considerar suas experiências, conhecimentos e qualificações.

Profissionais até mais novos que essa classe etária já sofre com o “peso” da idade, como é o caso dos “quarentões”.

Muitos profissionais acima dos 40 anos encontram várias barreiras na hora de se recolocar no mercado de trabalho.

Para quem está disposto a trabalhar, não deveriam existir barreiras, principalmente quando se tem as habilidades, conhecimentos, experiências e toda atitude que precisa para a vaga ofertada.

Falta de energia ou falta reconhecimento?

Em uma sociedade seletiva como a nossa, profissionais idosos são vistos, em grande parte das empresas, como um “problema”.

Assim, a preferência é sempre por profissionais mais jovens, porque tendem a ter mais energia e vitalidade, e na visão da corporação, um profissional idoso é sinônimo de falta de energia, ou então, que possuem mente envelhecida para competir com a inovação que as empresas pedem.

Enfim, são vários os fatores que levam empresas a não optarem por contratar um idoso.

O que podemos observar é que a cultura organizacional e a falta percepção e sensibilidade nos processos seletivos é o que limita a contratação desses profissionais mais experientes. Muitos RHs, agindo pelo desconhecimento da área, do valor agregado e intangível que esse profissional experiente tem para contribuir na área, faz com que muitos recrutadores não tenham a percepção clara de quanto know-how este profissional tem para preencher a vaga ofertada.

Vantagens de contratar um profissional idoso

Existem várias vantagens em se contratar profissionais maduros e experientes; esse conceito de que não são pessoas “produtivas” não condiz com diversos valores positivos nos idosos.

  1. Eles podem ajudar no crescimento da empresa através das suas experiências trazendo teoria e boas práticas.
  2. Contribuem com ideias e fatos vividos ao longo de suas carreiras.
  3. Possuem mão de obra qualificada, principalmente quando já trabalharam no mesmo ramo por muitos anos.
  4. Comprometimento e senso de responsabilidade, eles entram para mostrar que a empresa fez a escolha certa e se comprometem verdadeiramente.
  5. São mais resilientes, não desistem fácil e sabem sobressair de caos de forma mais positiva.
  6. São mais pontuais em suas entregas e obrigações legais.
  7. Maior capacidade de compreender e disseminar a cultura, apresentam comportamento esperado pela empresa mais rapidamente.

Todas as vantagens mencionadas acima nos mostram que às empresas que contratam profissionais idosos, todos esses ganhos somam-se também à fidelidade desses profissionais, causando uma diminuição no turnover e no absenteísmo das empresas, gerando impactos positivos na economia da empresa.

As empresas precisam enxergar além da idade

É muito importante que as empresas estejam preparadas para contratar de forma eficiente estes profissionais, que se preocupem com sua adaptação, com a produtividade e o ambiente onde irão exercer suas funções.

Um dos fatores que mais causam impactos na produtividade com estes profissionais é a questão da tecnologia; então, oferecer treinamentos de ferramentas tecnológicas irá facilitar para que desempenhem tarefas exigidas de maneira mais eficaz e fazer com que se sintam parte do negócio.

Por fim, é importante que as empresas compreendam que os idosos podem render excelentes resultados e podem ser bem competitivos no mercado de trabalho, proporcionando à empresa que apresente resultados positivos.

É por estes motivos que cada vez mais idosos estão buscando permanecer no mercado de trabalho, para se sentirem ativos e produtivos.

Aliás, como dizia Mário Quintana: “O segredo não é correr atrás das borboletas… É cuidar do Jardim para que elas venham até você. No final das contas você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você.”