Em uma marcenaria, onde o segmento é a fabricação de móveis, existem vários fatores que influenciam na saúde e segurança do trabalhador, tais como, postura, agentes físicos e químicos a que ficam expostos estes profissionais, comprometendo sua saúde e segurança. Dentre eles temos: levantamento de cargas, iluminação inadequada, má qualidade do ar, condições de desconforto térmico, ruídos no local de trabalho, poeira, odor da cola de contato, Thinner, e o risco de corte e dilacerações, devido aos equipamentos.

A indústria moveleira apresenta diferentes graus de evolução quanto à utilização de equipamentos, desde os mais modernos comandados por computador, até os mais obsoletos, ruidosos e desprovidos de proteção, isto também reflete na dinâmica que o operador é submetido para a execução de suas tarefas.

A marcenaria estudada é uma empresa de pequeno porte localizada na região oeste de São Paulo, com uma área de 30 (trinta) m² e 1 (um) marceneiro, quando este possui entrega e montagem, contrata 1 (um) ajudante avulso para ajudá-lo.

A atividade do marceneiro analisada consiste em manusear o material do local de armazenamento, conforme podemos visualizar no layout, figura 1, até a mesa da máquina de corte, serra esquadrejadeira. A chapa utilizada é o MDF (Medium Density Fiberboard), com dimensões (2750 x 1830 x 15) mm e peso de 55,8 kg. Ao fazer a compra deste material, o trabalhador faz o pedido desta chapa desdobrada com dimensões (2750 x 900 x 15) mm e peso de 27,9 kg, pois com as dimensões de fábrica ele não consegue manusear a chapa na marcenaria devido suas dimensões e peso.

Esta avaliação foi realizada observando a atividade do marceneiro, retirando o material do local de armazenamento e manipulando até a serra esquadrejadeira, para execução do corte da peça, de acordo com as medidas dimensionadas no projeto de execução.

Na figura 2 é possível visualizar a postura e dimensões da matéria prima, que o marceneiro transporta até a máquina de corte. Esse movimento é feito várias vezes ao dia, na fabricação dos móveis.

 

Figura: Layout de marcenaria

 

Figura: Postura

 

Temos várias ferramentas que podemos utilizar para analisarmos as cargas e posturas que este trabalhador está exposto, como: OWAS (Ovako Working Posture Analysing System); o modelo tridimensional de predição de posturas e forças estáticas desenvolvido pela Universidade de Michigan, Estados Unidos (3DSSPP); Equação de NIOSH (National Institute for Occupational Safety and Health); RULA (Rapid Upper Limb Assessment); REBA (Rapid Entire Body Assessment). Essas ferramentas nos auxiliam no entendimento das posturas e sobrecarga que o operador está submetido.

Ao realizar as atividades sob essas condições, a carga física de trabalho e as posturas desconfortáveis podem apresentar problema ergonômico, representando um dos principais fatores de risco de lesões para o trabalhador. A ergonomia pode auxiliar na modificação de máquinas e condições de trabalho, minimizando os riscos relacionados à atividade ocupacional.

Segundo Iida (2005) A boa postura é importante para a realização do trabalho sem desconforto e estresse.