Apesar de todas as recomendações contra o uso excessivo de telas, muitas vezes achamos que os problemas decorrentes “não vão nos atingir”, ou mesmo encaramos os dispositivos digitais como “um caminho sem volta” – e esquecemos de limitar seu efeito em nosso corpo e mente. Pior: estamos levando nossos filhos para a mesma direção.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, que atualizou neste ano seu “Manual de Orientações #Menos Telas #Mais Saúde”, os problemas para crianças e adolescentes hiperexpostos às telas vão desde a irritabilidade, ansiedade e depressão, até o aumento da violência e problemas auditivos e visuais, como miopia e síndrome visual do computador, transtornos posturais musculoesqueléticos e propensão ao uso de drogas.

No caso do videogame, além dos problemas musculares, existe o risco de desligamento da realidade, quando o cognitivo passa a sofrer com falta de atenção, não socialização, isolamento familiar e social. Estima-se que, após 30 minutos de jogo, a pessoa já passa a viver na realidade virtual.

Se para os mais novos esses são hábitos que devem ser limitados e reavaliados com urgência, antes que se tornem regra para toda a vida, para adultos e idosos, que também passaram a fazer uso irrestrito de aparelhos como celular, tablet e videogame, as consequências se somam a tendências já existentes, como artrite e artrose, entre outras limitações de movimentos.

Podemos não nos dar conta, mas a posição que adotamos ao celular, com o pescoço abaixo e coluna inclinada, exerce sobrecarga crescente sobre os músculos dos ombros, braços, mãos e dedos, o que tem levado muitos aos consultórios ortopédicos. A coluna e o pescoço são alvos gravemente atingidos pelos maus hábitos tecnológicos: o peso sentido pela cabeça é equivalente a 27 quilos, devido à pressão exercida pelo abaixamento da cabeça…

Com as mãos, a situação é ainda mais delicada, pois usamos sempre o mesmo dedo para digitar. O mais comum é a inflamação do tipo tendinite, mas ela pode se agravar e evoluir para uma tendinopatia, com processo degenerativo, principalmente das pequenas articulações, ou seja, o paciente desenvolve a osteoartrite. Apesar de muitos não se darem conta da gravidade desse hábito que ultrapassa fronteiras geográficas e de idade, a inflamação nos punhos causada pelo uso excessivo do celular já tem até um apelido, a “Whatsapinite”.

Outras afecções osteoomioarticulares (que afetam ossos, músculos e articulações), consideradas doenças causadas pela repetição de movimentos, podem ser relacionadas com o uso de dispositivos digitais, como deformidades e fraqueza muscular.

O meu alerta é: coloque limites para vocês mesmo, antes de chegar ao ponto de precisar de uma cirurgia. A boa notícia é que existem medidas que amenizam o dano causado pelo tempo ao celular, como adaptadores na forma de alças que permitem segurar o aparelho com a mão aberta.

Uma dica que deixo para você é tomar cuidado em usar sempre as duas mãos, e não apenas um dos dedos, alternando entre polegar e indicador. Outra recomendação essencial é fazer alongamentos, o que vale também para o tempo de uso do computador: estique a coluna, alongue os braços, solte o pescoço, faça a extensão total do braço, mãos e dedos.

E atenção: alongamento é para ser feito devagar. Todo o tempo investido nessa prevenção será recompensado em ganho de saúde e bem-estar.