Há alguns anos, o mercado começou a desenvolver e investir em aplicações de realidade aumentada (AR), virtual (VR) e mista (MR) para os mais diversos fins – melhorar a experiência dos consumidores na aquisição de produtos e serviços, simular a realização de procedimentos médicos, aperfeiçoar processos industriais, entre outros.

Juntas, estas tecnologias compõem o ambiente de X-Reality, que é um segmento novo de mercado, baseado em soluções disruptivas que ampliam de modo expressivo a interação e o engajamento das pessoas com as ofertas de produtos e serviços nos novos canais digitais.

E justamente para alavancar a expansão de soluções X-Reality realizamos um estudo sobre o panorama das aplicações de X-Reality existentes no mundo, com o intuito de identificar, classificar e apontar as possíveis contribuições dos principais fornecedores dessas tecnologias e de cloud para a transformação digital de empresas de diferentes setores.

A área de Digital Technology Innovation, da everis, que conta com laboratórios de pesquisa e desenvolvimento no Brasil, México, Peru e Chile, realizou esta tarefa e constatou que o volume de empresas e de serviços de Realidade Estendida (Aumentada,  Virtual e Mista) cresceu bastante nos últimos dois anos, enquanto o preço dos dispositivos e devices para desenvolvedores e consumidores vem diminuindo, o que demonstra que o mercado está amadurecendo, mas tem potencial para se expandir ao oferecer novas aplicações.

Isso se comprova pelo surgimento de novos players e por altos investimentos realizados, que estão acelerando a adoção e aplicação de novos casos de uso, avançando para uso integrado com outras tecnologias baseadas na web.

O estudo chamado de X-Reality Inside 2020 teve como público-alvo profissionais de TI que trabalham com essas tecnologias, visando ajudá-los a conhecer e escolher entre as diferentes opções existentes no mercado.

Para isso, foram listadas tecnologias e seus respectivos propósitos, bem como sua complementariedade, levando à conclusão de que a diversidade do ecossistema X-Reality não é tão aparente, mas há um potencial de crescimento orgânico do mercado muito grande.

Este potencial será maior à medida que os obstáculos ainda existentes para sua popularização junto aos usuários finais sejam superados.

Ou seja, as baterias tenham maior capacidade e duração, sejam melhoradas a qualidade das lentes e os limites de processamento, bem como reduzidos os excessos de sensores espaciais.

Entre os itens com grande potencial para solucionar as barreiras atuais estão a projeção de imagens na íris, renderização remota, obstrução de imagens 3D (occlusion) por Inteligência Artificial e de redes 5G, por exemplo.

Outra observação do estudo foi que grandes empresas de tecnologia estão comprometidas com a democratização e ampliação do uso do X-Reality para transformação e geração de novos negócios.

Facebook, Niantic, Magic Leap, Huawei, Amazon, Apple e Microsoft, por exemplo, lançaram projetos que trazem alto impacto na evolução do ecossistema de desenvolvimento em grandes empresas.

Além disso, outros conceitos em evidência são os de Computação e Web Espacial, que reforçam todo o potencial de tornarem-se o grande habilitador da massificação de serviços baseados em X-Reality, a custos mais acessíveis e promovendo o engajamento.

Para as indústrias do setor de varejo, financeiro, automotivo e de bens de consumo, a Web Espacial mudará a maneira como os clientes interagem com as marcas e são engajados no consumo, bem como o uso dos espaços das agências e pontos de venda.

Já na área de saúde e autocuidado, a Web Espacial transformará a forma como pacientes previnem doenças e recebem assistência médica.

Nos serviços públicos, arquitetura, engenharia e manufatura, por sua vez, terão sua potencialidade ampliada devido à capacidade de simulação e de diagnósticos de projetos e situações de manutenção. As possibilidades abertas por aplicações X-Reality são infinitas.

Atualmente, as tecnologias mais adotadas são as de Realidade Aumentada (AR), que é utilizada pelos setores bancários, de seguros, aeroespacial e defesa, turismo e lazer, meio ambiente e sustentabilidade, telecomunicações e mídia, além de segurança e manufatura, com projetos ainda incipientes em outras áreas.

Em segundo lugar está a adoção de Realidade Virtual, especialmente pelo setor público, de infraestrutura e imobiliário, manufatura, defesa e de entretenimento, cujo avanço é mais lento em função de necessidade de dispositivos específicos (óculos e equipamento de transmissão) que ainda são caros e pouco acessíveis aos consumidores.

O uso de Realidade Mista (MR) ainda é pontual, sendo mais comum na área de saúde para treinamento dos profissionais e nas operações de “Field services”.

Existe uma grande diversidade de fornecedores de tecnologias X-Reality no mercado, sendo as mais relevantes 43 de RA, 37 de RV, 19 de MR e 18 de plataformas na nuvem.

Algumas delas têm soluções que se integram e interagem, propiciando serviços mais inovadores e interessantes ao mercado, outras estão mais direcionadas aos seus respectivos segmentos de atuação.

Mas a tendência é que ocorra uma maior integração entre diferentes produtos e serviços para propiciar uma maior massificação junto aos diferentes setores e aos consumidores em geral.

Vamos torcer para que esta expansão seja rápida e cada vez mais satisfatória para as empresas e para nós, como usuários.